Joe Louis: biografia do pugilista, vida pessoal e familiar, foto

Joe Louis: biografia do pugilista, vida pessoal e familiar, foto

O campeão mundial de boxe dos pesos pesados ​​Joe Louis (foto no artigo) já foi o afro-americano mais famoso dos Estados Unidos, quase o único que apareceu regularmente nos jornais para brancos. Quebrando a barreira racial que o boxe separou depois que o peso pesado preto Johnson ofendeu os brancos, Louis iniciou o processo que finalmente abriu o esporte a atletas de todas as raças.

Durante seus 12 anos sem precedentes como campeão mundial, Joe irradiava poder no ringue e uma dignidade silenciosa além. Na mídia, ele passou de um selvagem negro para um herói nacional e um ícone do esporte. Os últimos anos de sua vida foram difíceis, marcados por problemas financeiros e pela luta contra doenças mentais, mas quando ele morreu, todos choraram.

Biografia inicial

Joe Louis nasceu em 13/05/1914 com os inquilinos do Alabama Munroe e Lilly Barrow. Ele foi o penúltimo de 8 filhos e perdeu o pai cedo. Dois anos após o nascimento, Joe Munroe Barrow foi internado no hospital e sua esposa foi logo informada de que ele havia morrido. De fato, o pai viveu outros 20 anos, sem conhecer a crescente popularidade de seu filho. Acreditando que ela se tornou viúva, Lilly Barrow logo se casou com Pat Brooks, um viúvo com cinco filhos. Por algum tempo, Joe ajudou seus pais a trabalhar nos campos de algodão. E em 1926, a família juntou-se à crescente onda de migração negra para o norte dos Estados Unidos.

Eles se mudaram para Detroit, onde Joe, de 12 anos, não estava preparado para a escola. Para sua vergonha, ele foi colocado no ensino fundamental com crianças pequenas. Por fim, o sistema escolar o enviou à Bronson Craft School. Felizmente para Joe, ele encontrou seu chamado fora do sistema educacional de Detroit. Quando a Grande Depressão privou o padrasto de seu trabalho, Joe passou um tempo na rua procurando empregos estranhos. Para protegê-lo da influência do mal, sua mãe lhe dava 50 centavos por semana para aulas de violino, mas ele as gastava em aulas de boxe no Centro Recreativo de Brewster.

Temendo que sua mãe descobrisse aonde vai o “dinheiro para o violino”, ele começou a caixa sob o nome de Joe Louis. Embora os resultados fossem promissores, o trabalho exaustivo em tempo integral, durante o qual ele movia carrocerias pesadas, deixou pouco tempo ou esforço para treinar. No final de 1932, ele participou de sua primeira partida amadora com o membro da equipe olímpica daquele ano, Johnny Miller. A má preparação afetou, e Miller o bateu 7 vezes nas duas primeiras rodadas. Joe Louis, deprimido, decidiu abandonar completamente o boxe, seguindo o conselho de seu padrasto de se concentrar em seu trabalho. É interessante que foi sua mãe que o levou a voltar ao ringue, vendo no boxe sua chance de fazer por si mesmo o que ele gostava.

Джо Луис со своей матерью

Anos amadores

Dessa vez, Joe saiu do trabalho e se concentrou no treinamento. Ele voltou ao clube amador e no ano seguinte venceu 50 dos 54 jogos (43 por nocaute). Esse registro impressionante logo chamou a atenção de John Roxborough, o famoso gueto negro de Detroit, o rei da loteria ilegal. Suas outras atividades incluíam trabalhos de caridade e a promoção da juventude local na realização de seus sonhos. Ele decidiu levar Louis sob suas asas, instalou-se em sua casa, forneceu nutrição adequada e pegou equipamento decente para treinamento.

Em junho de 1934, antes de se tornar um profissional, o boxeador pediu a Roxborough para se tornar seu gerente. Para financiar a carreira de Louis, ele trouxe seu parceiro de negócios de longa data Julian Black para Chicago. Juntos, eles organizaram o treinamento de Louis com Jack Blackburn, que já havia preparado dois boxeadores brancos para o campeonato mundial. Naquela época, os negros tinham poucas chances de conquistar o título, principalmente em pesos pesados. O racismo e a segregação eram comuns à sociedade americana, mas no boxe havia um motivo particular pelo qual os afro-americanos eram discriminados. E esse motivo é Jack Johnson, que foi o campeão dos pesos pesados ​​de 1908 a 1915.

Ele foi o primeiro detentor do título nessa categoria de peso e se divertiu em grandeza, ignorando convenções, se vangloriando de adversários brancos derrotados, conversando abertamente com prostitutas brancas e se casando com mulheres brancas. Por 7 anos, ele defendeu seu título de vários candidatos brancos, mas em 1915, ele finalmente perdeu para Jesse Willard, em uma partida que pode não ter sido totalmente honesta. A imprensa branca se alegrava abertamente, e os promotores e boxeadores brancos juravam nunca deixar os negros lutarem pelo título.

Diante dessa história, Blackburn não queria pegar um boxeador preto, mas precisava de um emprego, e Roxboro e Black prometeram a ele o campeão do mundo. Blackburn organizou um regime rigoroso para Louis, incluindo uma corrida diária de 10 quilômetros, e o treinou em um estilo que combinava um trabalho de pés equilibrado, um forte jab à esquerda e combinações rápidas de socos. Ao mesmo tempo, sua equipe selecionou cuidadosamente a imagem para que ele contrastasse nitidamente com Jack Johnson. Um boxeador preto tinha que ser gentil antes e depois da luta, consistente com a imagem de uma decência pura e temente a Deus e, antes de tudo, evitava insultar os brancos e não se encontrava com mulheres brancas. Tudo isso permitiu que Louis lutasse pelo título.

Джо Луис среди репортеров

Tornando-se um profissional

Em 4 de julho de 1934, ocorreu a primeira luta profissional de boxe de Joe Louis. Na Arena Bacon, ele enviou Jack Kraken para o nocaute no primeiro turno. Em 30 de outubro daquele ano, ao nocautear Jack O’Dowd no segundo round, ele havia vencido 9 lutas seguidas, 7 das quais terminaram em nocautes. Juntamente com sua reputação, seus pagamentos aumentaram de US $ 59 para US $ 450 no auge da depressão, quando a maior parte de seu antigo bairro lutava por ajuda e trabalho temporário. Louis enviou dinheiro fielmente para casa para sustentar sua família, mas também começou a se acostumar com os custos que o atormentavam nos anos seguintes: comprou ternos caros e um Buick preto brilhante.

Logo ficou claro que Louis havia superado adversários cuidadosamente selecionados, projetados para não estragar seu início de carreira. Seus gerentes começaram a procurar rivais mais sérios e logo se estabeleceram com Charlie Masser, que ficou em 8º lugar no ranking de pesos pesados ​​da revista Ring. Em 30 de novembro de 1934, Louis se encontrou com Masseroy e o nocauteou na terceira rodada. Após 2 semanas, ele entrou no ringue contra o pesado Lee Ramage, que se tornou um verdadeiro desafio para Louis. Ramage foi rápido e defendeu bem. Nas primeiras rodadas, ele conseguiu se esquivar dos poderosos golpes de Joe e, durante o intervalo, Blackburn o aconselhou a vencer as mãos do oponente. No final, Ramage estava cansado de levantar as mãos, Joe pressionou-o contra as cordas e nocauteou na oitava rodada.

Roxboro decidiu que Louis estava pronto para o grande boxe, ou seja, para o Madison Square Garden de Nova York, em que as lutas eram realizadas no nível mais alto desde a década de 1920, quando ele assinou contratos com todos os principais rivais da divisão dos pesos pesados. E isso foi um problema sério. Jimmy Johnston, gerente do Madison Square Garden, disse que poderia ajudar Louis, mas Roxborough precisava levar em consideração algumas coisas. Joe não tinha que se comportar como boxeador branco e não podia vencer toda vez que entrava no ringue. De fato, ele sugeriu que Roxboro Louis perdesse algumas lutas. Isso era contrário ao seu comando de não participar de partidas contratuais, e ele desligou. Felizmente, o monopólio de Johnston foi instável.

Sair dessa situação ajudou Mike Jacobs. Ele estava procurando uma maneira de competir com o Gardena e finalmente o encontrou. Tradicionalmente, várias competições de boxe eram realizadas na arena de Nova York para arrecadar fundos para o Dairy Fund for Babies, da sra. William Randolph Hurst. O fundo recebeu uma parte dos lucros e Garden recebeu boa publicidade nos influentes jornais de Hurst. Quando a arena decidiu arrendar aluguéis, alguns repórteres de esportes empresariais, incluindo Damon Runyan, decidiram criar sua própria empresa para competir com Garden. Eles podiam fornecer publicidade, mas precisavam de um promotor experiente. Portanto, os repórteres convidaram Jacobs e fundaram 20th Century Club. Oficialmente, Jacobs possuía todas as ações, porque os repórteres não queriam se identificar com as brigas que iam cobrir.

Enquanto isso, a série de vitórias de Joe Louis continuou. Em 4 de janeiro de 1935, ele derrotou o sexto na classificação de Petsy Perroni e, uma semana depois, derrotou Hans Birka. Mike Jacobs precisava de um boxeador sério para tornar seu clube popular, e ele logo descobriu sobre Joe. Ele foi a Los Angeles para uma revanche entre Louis e Ramage. Desta vez, Joe nocauteou um oponente no segundo turno. Jacobs impressionado convida vencedor a se apresentar por 20th Century Club, garantindo a seus gerentes que ele pode vencer todas as lutas e, se possível, nocautear no primeiro round.

Боксер Джо Луис

Vitória sobre Primo Carnera

Jacobs organizou várias brigas por Joe Louis fora de Nova York, e seus parceiros secretos lançaram uma campanha publicitária, que acabou levando ao fato de que todos sabiam dele. Em busca de um oponente para a grande partida de Nova York, Jacobs encontrou o ex-campeão dos pesos pesados ​​italiano Primo Carner. A batalha estava marcada para 25/06/1935, e a hora foi escolhida muito bem. No verão, Mussolini ameaçou invadir a Etiópia, um dos poucos países independentes da África. A comunidade internacional estava muito preocupada com isso, especialmente os afro-americanos. No anúncio antes da partida, Jacobs representou Louis como um membro de sua corrida, e no momento da luta todos estavam muito curiosos sobre quem era esse boxeador que desafiava as restrições raciais.

Mais de 60.000 torcedores e 400 comentaristas esportivos se reuniram no Yankee Stadium naquela noite para ver Joe Luis, de 188 cm, que pesava 90 kg, e o gigante italiano de 198 cm, que era 28 kg mais pesado. Depois de um começo tedioso, o público viu algo incrível. Na 5ª rodada, Joe bateu em Carner com a direita, ele caiu nas cordas e pulou para enfrentar o golpe com a esquerda e depois novamente com a direita. Para não cair, o rival dependia de Louis. Na 6ª rodada, Joe o bateu duas vezes, mas cada vez que Carner ficava de pé. Finalmente, ele não conseguiu suportar e desabou sobre as cordas. O árbitro parou a luta.

Bombardeiro marrom

Na manhã seguinte, a mídia fez Joe sentir uma sensação e os americanos testemunharam uma raridade: um homem negro apareceu nas manchetes. Naturalmente, os comentaristas se concentraram principalmente em sua raça, fornecendo um suprimento ilimitado de apelidos que caracterizavam o novo candidato ao título: Mahogany Boxer, Chocolate Meat Grinder, Coffee King of Knockout e o que lhe foi atribuído, Brown Bomber. Os repórteres exageraram o sotaque do Alabama de Joe Louis e sua educação limitada para criar a imagem de um boxeador ignorante, preguiçoso e “sombrio”, incapaz de qualquer coisa, exceto comida, sono e luta.

Caminho para o topo

Uma reviravolta do destino foi fazer do boxeador Joe Louis um participante do campeonato e destruir o preconceito racial. Algumas semanas antes de derrotar Carner, James Braddock derrotou o campeão dos pesos pesados ​​Maxim Baer em uma das partidas mais decepcionantes. Assumindo a vitória de Baer sobre um oponente que perdeu 26 lutas em sua carreira, Jimmy Johnston, de Garden, cometeu um erro fatal. Ele assinou um contrato padrão com Baer, ​​obrigando-o a lutar na arena somente se ele vencesse. Mike Jacobs foi até Max Baer e assinou um contrato com ele para lutar com Louis em 24/09/1935.

Джо Луис с первой женой Марвой Троттер

Mas Joe tinha assuntos pessoais, com os quais tinha que lidar em primeiro lugar. Naquele dia, ele se casou com Marve Trotter, uma secretária de jornal de 19 anos que era bonita, inteligente e, mais importante, gerentes negros. Não houve problemas como com Jack Johnson. A nova Sra. Louis sentou-se no ringue, quando o árbitro contou o tempo em que Max Baer tentou se levantar do joelho na 4ª rodada. Ele poderia ter se levantado, mas, segundo ele, se o público quisesse vê-lo sendo espancado, deveria ter pago mais de US $ 25 por assento.

Lutas com Schmeling

A vitória sobre Baer fez de Louis o melhor boxeador, e seu poder ofuscou o infeliz James Braddock. Mas no horizonte havia outro boxeador branco. Após muitos anos de aparições bem-sucedidas na Europa, o ex-campeão alemão de pesos pesados ​​Max Schmeling queria voltar para a América. Naturalmente, ele queria competir pelo título, mas a comissão de boxe disse que ele teria que lutar primeiro com Joe Louis. Infelizmente, ele estava muito ocupado desfrutando a nova riqueza e fama para treinar seriamente. 11/06/1936, ele perdeu pela primeira vez uma luta profissional de boxe na 12ª rodada.

Louis e seus fãs ficaram arrasados, mas não por muito tempo. No ano seguinte, ele, e não Schmeling, tornou-se o campeão. Isso ocorreu em parte devido a eventos na Alemanha. Muitos americanos ficaram revoltados com o uso de eventos esportivos, como as Olimpíadas de Berlim de 1936, para demonstrar nazismo e supremacia ariana.

Todos sabiam que era necessária uma revanche contra Schmeling para que o título do campeonato fosse considerado legal. Aconteceu em 22 de junho de 1937. A situação antes da batalha era inacreditável até para o homem negro mais famoso da América. O mundo estava à beira da guerra com o nazismo, e Max Schmeling parecia um cara de um pôster ariano. Pela primeira vez, a América branca e negra se uniu, torcendo por Louis, de modo que sua vitória era uma prova da capacidade da América de derrotar a Alemanha.

Joe tinha uma estratégia simples de luta: um ataque implacável. Desde o início, ele bateu na cabeça, chocou Schmeling, bateu nas costas com 2 socos e o derrubou três vezes seguidas. 2 minutos e 4 segundos após o início de uma das melhores lutas de Joe Louis, o treinador alemão jogou uma toalha. 70 mil fãs receberam o vencedor.

Джо Луис и Макс Шмелинг

Herói nacional

Entre a batalha com Schmeling e o início da Segunda Guerra Mundial, Louis defendeu seu título 15 vezes contra adversários claramente mais fracos que ele. Apenas o campeão dos meio-pesados ​​Billy Conn parecia oferecer resistência notável: ele realizou 13 rounds, mas perdeu. Antes da partida, Joe cunhou a frase “ele pode correr, mas não pode se esconder” no vocabulário americano.

Logo após Pearl Harbor, Louis foi alistado no exército, fortalecendo sua reputação na América branca. Ele foi a uma série de batalhas demonstrativas nas tropas. Joe doou duas vezes o produto da luta pelo título ao Fundo de Assistência à Frota. Ao mesmo tempo, ele trabalhou silenciosamente na desagregação das forças armadas, participando frequentemente de eventos inter-raciais.

Quando Joe Louis deixou o serviço em 1945, ele estava no auge de sua popularidade. Ele finalmente se tornou um herói para todos os americanos, defendeu com sucesso o título de todos os candidatos, ganhou muito dinheiro e deixou o esporte invicto em 1949, após sua mais longa estadia na história do boxe como campeão mundial. Sua lendária generosidade para com a família, velhos amigos e quase todas as causas dignas do negro garantiram a ele o amor do público.

Джо Луис в армии

Falha pessoal

Mas nem tudo correu bem. Relações constantes com outras mulheres, cuidadosamente escondidas da imprensa, arruinaram o casamento de Luis. Em 1945, Joe se divorciou de Marva. Casaram-se novamente um ano depois, mas em 1949 romperam completamente as relações. A generosidade de Luis também sofreu bastante; durante toda a guerra, ele teve de pedir emprestado quantias significativas de seus gerentes. Além disso, ele tinha centenas de milhares de dólares em impostos não pagos. Um ano depois de deixar o boxe, ele, por razões financeiras, foi forçado a voltar ao ringue.

27/09/1950 Luis se opôs ao novo campeão dos pesos pesados ​​Ezzard Charles, mas perdeu por decisão dos juízes.

26/10/1951, ele fez sua última tentativa de retornar. Futuro campeão Rocky Marciano derrubou Louis na 8ª rodada.

Anos de declínio

Pelo resto da vida, Joe Louis enfrentou dificuldades financeiras. Ele ganhou dinheiro com performances, lutas de demonstração e até por pouco tempo foi um lutador profissional.

De 1955 a 1958, ele foi casado com a bem-sucedida empresária Rose Morgan, que trabalhava em cosméticos, o que ajudou a pagar a maior parte das contas.

Em 1959, casou-se com a advogada Martha Malone Jefferson e se mudou para sua casa em Los Angeles. Sob pressão política, o escritório de impostos estabeleceu pagamentos de US $ 20.000 por ano para Louis, mas mesmo esse valor ele não podia pagar.

Na década de 1960, a vida do ex-campeão começou a descarrilar. Ele teve um relacionamento com uma prostituta (em sua autobiografia, ele a chama de Marie), que em dezembro de 1967 deu à luz seu filho. A família Joe Louis adotou um garoto que eles chamaram de Joseph. Ao mesmo tempo, o ex-boxeador começou a usar drogas, incluindo cocaína, ele mostrou sinais de doença mental. Louis alertou amigos e familiares sobre conspirações contra sua vida. Por vários meses, ele foi tratado em uma instituição mental no Colorado. Марта осталась с ним, и с ее помощью и поддержкой он бросил кокаин. Его паранойя продолжалась с перерывами, хотя большую часть времени он был самим собой.

Джо Луис в казино

Смерть

В 1970 году Луиса нанял «Дворец Цезаря» в Лас-Вегасе. Его работа заключалась в даче автографов, игре на деньги заведения, когда требовалось повысить азарт посетителей, и игре в гольф с особыми гостями. Казино предоставило ему жилье и платило 50 тыс. долларов в год. Джо жил и работал во «Дворце Цезаря», пока 12 апреля 1981 года с ним не случился обширный сердечный приступ.

Похороны Луиса стали огромным событием в СМИ. Нация, которая почти забыла о нем, вдруг вспомнила все, что он значил для страны, и снова приветствовала его как великого боксера, который восстановил класс и честность в профессиональном боксе. Три тысячи скорбящих собрались, чтобы услышать речи ораторов, таких как Джесси Джексон, восхвалявших Луиса за то, что он открыл мир большого спорта чернокожим спортсменам. Возможно, лучше всех высказался Мухаммед Али, который сказал репортеру, что Луиса любили и чернокожие, и белые бедняки, и теперь они плачут. Говард Хьюз умер со своими миллиардами, и не было ни одной слезинки, но когда умер Джо Луис, плакали все.

Настоящий спортсмен

Журналисты неоднократно писали, что боксер много спал и ел, читал комиксы, болел за «Детройтских тигров» и любил играть в бейсбол и гольф. Но ни одно из этих обобщений не было правдой. Даже на ринге, а тем более вне его, Луис не проявлял жестокости. Он не нападал на своих оппонентов, когда им было больно, и не показывал удовольствия от их страданий. Он не был ленивым. Джо тренировался, и любой репортер, освещавший его тренировки, это знал. Что касается его ума, Луис не был интеллектуалом, но какой боксер был им? Все эти мифы возникли из одной и только одной вещи: его расовой принадлежности.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *