Jessica Long: biografia do atleta, história de sucesso, registros, fotos

Jessica Long: biografia do atleta, história de sucesso, registros, fotos

O nome verdadeiro da nadadora paraolímpica americana Jessica Long é Tatyana Olegovna Kirillova. Ela nasceu na Rússia, foi abandonada pelos pais e adotada por uma família americana. Jessica é vencedora múltipla dos Campeonatos Mundiais, Paraolímpicos, recordista mundial de atletas que não têm membros inferiores. Mais detalhes sobre Jessica Long, cuja foto é fornecida no artigo, sobre seu destino e conquistas esportivas serão descritos abaixo.

Adoção

A biografia de Jessica Long começou tragicamente. Nasceu na Rússia, na região de Irkutsk, perto da cidade de Bratsk, em 1992, com um defeito nas extremidades inferiores. Ela não tinha tíbia e alguns ossos dos pés. Os pais a abandonaram imediatamente e ela foi enviada para um abrigo. Parece que na frente de uma garota com deficiência um destino invejável aguardava. Mas um feriado aconteceu na rua dela.

Depois de algum tempo, um pouco de Tanya foi levada por uma família dos Estados Unidos. Naquela época, a criança tinha 13 meses. Assim, Tanya Kirillova se transformou em Jessica Long. Já durante sua estadia nos Estados Unidos, suas pernas foram amputadas. Depois disso, ela aprendeu a andar de dentadura.

Praticando esportes

Jessica na infância

Desde a infância, a menina começou a praticar vários esportes, começando pela ginástica e terminando com a escalada. Felizmente, o nível de desenvolvimento de infra-estrutura para deficientes, assim como o esporte adaptável nos Estados Unidos, é muito alto. E as pessoas com deficiência praticamente não encontram obstáculos para se envolver em muitos tipos de atividades motoras.

Tendo tentado sua mão em várias direções, Jessica preferiu nadar, seriamente levada por ele. Ela começou a treinar, aproveitando o fato de seus avós terem uma piscina em casa.

Em 2003, Jessica foi reconhecida como a melhor nadadora de Maryland com deficiência. Ela se mostrou talentosa e viável além de seus anos, estreando em 2004, aos 12 anos, nos Jogos Paraolímpicos de Atenas, tendo conquistado três medalhas de ouro.

De 2004 a 2008, a atleta Jessica Long se apresentou com sucesso em vários campeonatos e campeonatos. Ela ganhou medalhas e estabeleceu recordes mundiais um após o outro. Em 2006, o Comitê Paraolímpico dos EUA concedeu a ela o título de melhor atleta do ano. No mesmo ano, na África do Sul, na cidade de Durban, sob os auspícios do IPC, foi realizado o campeonato mundial de natação. Lá, a garota levou nove medalhas de ouro.

Mais sucesso

Nadador Jessica Long

Quatro anos após Atenas, os Jogos Paraolímpicos foram realizados em Pequim, onde Jessica, de 16 anos, voltou a brilhar, conquistando quatro medalhas de ouro. Após essas competições, Jessica Long recebeu o sétimo presidente do COI Juan Antonio Samaranch, que venceu o “melhor atleta com deficiência” na indicação correspondente.

Em 2010, a menina brilha novamente no Campeonato Mundial na Holanda, em Endhoven. Lá, ela ganha sete medalhas de ouro, estabelecendo os próximos recordes mundiais. Um ano depois, uma das revistas americanas a chama de a melhor nadadora paraolímpica.

Mais duas olimpíadas

Atleta americano

Em 2012, um atleta americano conquistou novamente a piscina paraolímpica. Aconteceu nos Jogos Olímpicos de Londres. Lá, ela ganhou seis medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze. Este ano, a menina se tornou a atleta do ano entre as Paraolimpíadas. Este título foi concedido a ela pelo Comitê Paralímpico Nacional dos EUA.

Apesar de alcançar incrível sucesso esportivo e ganhar um grande número de medalhas, Jessica não deixaria o esporte e se preparava para novos jogos olímpicos. E a participação nas Olimpíadas na cidade brasileira do Rio de Janeiro em 2016 foi um sucesso para ela. Lá, Jessica recebeu uma medalha de ouro, três de prata e três de bronze.

No total, Jessica Long tem 18 performances que se tornaram recordes mundiais.

Recordes mundiais

Entre os recordes mundiais de Jessica Long estão os seguintes:

  • 2010 – dois recordes mundiais, o primeiro a 200 m com natação integrada, o segundo a 100 m de estilo livre. Isso aconteceu na Holanda, em Eindhoven, no Campeonato Mundial de Natação.
  • 2009 também é dois recordes. Sozinho no Brasil, no Rio de Janeiro, na Copa do Mundo, no estilo livre de 100 metros e no peito de 100 metros. Segundo no Canadá, em Edmonton, no campeonato EUA-Canadá, 100m de peito.
  • 2008 – Campeonato Canadense-Americano no Canadá, Victoria, 100 m borboleta.
  • 2007 – até seis recordes mundiais. Três deles nos Jogos de Deficiência dos Estados Unidos, realizados em Auckland, Rochester, Michigan, têm 50m de borboleta, 200m e 1.500m de estilo livre. Os próximos três são no Campeonato Canadense-Americano de Primavera no Canadá, em Montreal (peito de 200m, 400m individual e 800m livre).
  • 2006 – já oito recordes mundiais nos Jogos Belgas em Antuérpia. Curso de borboleta de dois – 100 m, estilo individual de 200 m. Quatro nos Jogos Canadense-Americanos, no Canadá, Ontário (peito de 50 e 200 m, borboleta de 50 m, estilo individual de 400 m). Mais dois nos American Open Athletic Games em Atlanta – 100 m de borboleta e 200 m de natação.
  • 2005 – dois recordes mundiais no US Open em Minneapolis – borboleta de 100 m, peito de 100 m.

Até o momento, 15 deles ainda não foram derrotados por ninguém.

Raízes russas

Jessica na Sibéria

Depois que os Jogos Paraolímpicos terminaram em 2012, os repórteres perceberam que suas raízes históricas estão na Rússia. E eles decidiram marcar uma reunião com sua segunda mãe – biológica.

Em 11 de setembro de 2012, Natalya Kirillova falou sobre si mesma no programa “Deixe-os falar”. Ela realmente queria olhar nos olhos de sua filha e pedir perdão. Ela disse que se sentia culpada na frente dela e queria explicar por que tudo isso aconteceu. E também peça uma compreensão do que ela não poderia fazer por ela, o que os pais americanos fizeram. Natalia expressou confiança: Jessica é uma garota gentil, ela vai entender tudo.

Natalia depois de Tanya teve mais três filhos. Esta é Nastya, a segunda filha, nascida em 1993, que na época estudava em Bratsk em uma faculdade de formação de professores. Então, em 1999, gêmeos apareceram – Dasha e Igor. O menino foi para a escola e a menina é inválida com paralisia cerebral, de quem a mãe cuida.

13/09/2012 no canal Russia-1, foi exibido o programa “Live”, no qual participaram Jessica, seu pai e irmã. Em 2013, em dezembro, ela foi à região de Irkutsk para se encontrar com sua mãe.

À espera de uma reunião

Natalya Kirillova

O dia em que Jessica Long conheceu sua mãe, que deu a vida, a campeã paraolímpica, disse ela, estava esperando há muitos anos. O fato de ser uma filha adotiva, disseram seus novos pais na infância. A menina sabia que em 1992 eles a levaram de um orfanato especializado em Irkutsk.

Ao contrário dos pais de sangue, os estrangeiros não foram afastados por seu grave defeito de nascimento. Mas quem eles eram, seus pais biológicos, Jessica não sabia. Eles foram informados sobre eles no ano passado, durante uma competição em Londres. Para perceber isso e reunir seus pensamentos, a garota demorou muito tempo.

Quando Jessica voou para Irkutsk, ela disse ao correspondente do Komsomolskaya Pravda que amava muito a mãe e o pai americanos. Eles sempre a apoiam e estão especialmente preocupados com ela agora. Ela recebe deles mensagens intermináveis ​​nas quais os parentes escrevem: “Oramos por você”. Juntamente com Jessica, Hannah Long, sua irmã, fez uma longa jornada para a Rússia.

E também Jessica disse que, em qualquer caso, ela ficaria feliz em ver sua mãe, o que quer que fosse. No entanto, o atleta estava muito preocupado. Chegando à plataforma da estação e, depois de passar várias reuniões com jovens atletas no nível oficial, ela passou uma noite sem dormir em um hotel, esperando uma reunião com a mãe. Como ela é agora? O que ele está pensando? Jessica sentirá alguma coisa por ela? Você pode amá-la? Não é de admirar que esses pensamentos atormentassem a criança que foi abandonada.

A reunião ocorreu

Encontro com mãe russa

Como o correspondente relatou no local da reunião: “Jessica está brilhando de felicidade! Agora ela está na casa dos pais e eles estão conversando em particular. Então todos se sentaram à mesa. A mãe de Jess, Natalya, se esforçou muito. A mesa está cheia de guloseimas saborosas”.

Ela deu à filha um pote de pepinos em conserva, que ela mesma preparou. “Ah, pepinos da mãe!”, Exclama o atleta americano. “Nunca provei deliciosos.” A irmã americana Nastya deu-lhe flores, um anel e também um brinquedo macio – um ursinho de pelúcia.

Imediatamente após a reunião, Jessica Long compartilhou suas emoções com o correspondente, dizendo que estava muito feliz e nem um pouco decepcionada. Ela também observou que é muito parecida com a irmã, com quem é um ano mais velha. Mamãe deu à menina um colar como lembrança, seu pai uma Bíblia e Nastya um bracelete.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *